Sobre

Histórico da ICE do Canto do Mar em São Sebastião – SP.

No ano de 1976 o casal  Ánibal Luiz e Eleonides Costa Oliveira, decidiram por iniciar um trabalho de Escola Bíblica Dominical na garagem de sua casa, pois viam a necessidade espiritual  do grande número de crianças que moravam no então bairro em expansão. O trabalho fluiu a ponto de terem de construir um local apropriado , nasceu assim a “ igrejinha” como ficou conhecida,alguns anos mais tarde pelo número de pessoas que passaram a freqüentar a EBD, e os cultos, foi então  instalada a Congregação do Canto do Mar sob a supervisão da Igreja Cristã Evangélica Central de São José dos Campos. No ano de 1978 iniciaram-se os cultos regulares, muitos , obreiros ,missionários e pastores  passaram pela congregação, alguns  dos quais hoje estão a frente de prósperas igrejas do Senhor, outros  o Senhor recolheu para o seio de Sua Glória. O trabalho cresceu e no de 1999 a Igrejinha tornou-se pequena  e  não comportava mais as pessoas em suas instalações . Então lançou-se o desafio da compra de  um terreno grande para construir uma igreja maior, Deus nos concedeu dois terrenos adjuntos ao que a Congregação já tinha e no ano de 2000 iniciou-se  construção do atual templo com os recursos oriundos da Igreja Central de São José dos Campos. O trabalho continuou crescendo  e no dia 11 de dezembro de 2010 a Congregação do Canto do Mar passou a ser uma igreja  emancipada gerindo  seu próprio trabalho passando a ser conhecida como IGREJA CRISTÃ EVANGÉLICA CANTO DO MAR.

PASTORADO:
PR. JOSÉ CLAUDIO FONSECA, NO MINISTÉRIO DESDE O ANO DE 1986 TENDO ATUADO NA IGREJA DO EVANGELHO QUADRANGULARDE 1986- 1989, ANO EM QUE INGRESSOU NO  DESAFIO JOVEM EBENÉZER DE JACAREI ONDE ATUOU COMO SECRETÁRIO EXECUTIVO POR  UM PERÍODO DE DEZ ANOS, ESPECIALIZOU-SE EM PREVENÇÃO AO USO DE ENTORPECENTES,MINISTRANDO PALESTRAS DE PREVENÇÃO AO USO DAS MESMAS. EM 1995 INGRESSOU NO CETEVAP ONDE FORMOU-SE EM BACHAREL EM TEOLOGIA. PASTOREANDO A IGREJA CRISTÃ EVANGÉLICA CANTO DO MAR DESDE ENTÃO.

 

PRESBÍTEROS (em exercício):
GILDO CANDIDO RIBEIRO
D’ANGELO FERREIRA DOS SANTOS
ÁTILA TIDIOLI
AILTON FRANCISCO TEIXEIRA 

Suplentes:
VALMIR SANTIAGO
JOEL MONTEIRO 

 

DIÁCONOS (em exercício):

ALEXANDRE SILVA
PAULO BATISTA
ERALDO BARRETO
JOÃO NILSON DIAS FERREIRA

Suplente:

João Carlos Borges.

 

CONFISSÃO DE FÉ DA IGREJA CRISTÃ EVANGÉLICA DO BRASIL 

Artigo 1°
DA DOUTRINA DA TRINDADE
Cremos que há um só Deus na Sua essência, mas que subsiste em três pessoas distintas, co-iguais em poder e em glória e co-eternas. Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, tendo os mesmos atributos e perfeições. Mt. 3.16,17; 28.18,19; Jo 14.16,17;16.12-15; 2 Co 13.13; Gl. 4.6, 7; Hb. 9.14; I Jo 2.22,23; 5.6-12.

Artigo 2°
DA DOUTRINA DE DEUS PAI
Cremos em Deus Pai, pessoal, Espírito, eterno, infinito, imutável e insondável em seu Ser; criador, preservador e consumador de todas as coisas; o Qual Se revelou ao mundo pelo Filho e pelas Suas obras, dando-nos a conhecer a Si mesmo e tudo quanto requer para nossa conduta e procedimento aqui no mundo. Dt. 33.24; Sl. 9.2; 139.7-12; Is. 40.28; Jer. 10.10; 23.24; Mt. 5.45-48; Mc. 12.19-30; Luc. 12.32; 24.39; Jo 1.18; 4.24; 5.37-39; 14.28; At. 17.24-29; Rom. 1.20; I Co 8.4-6; I Tm 1.17; Hb. 1.1-4; 7.3; Tg. 1.1-18.

Artigo 3°
DA DOUTRINA DO FILHO JESUS CRISTO
Cremos em Deus Filho, Jesus Cristo, o unigênito do Pai, concebido pela Virgem Maria por Obra e graça do Espírito Santo, que viveu sem pecado, morreu para expiação de nossas culpas, ressuscitou para nossa justificação, ascendeu à destra do Pai para nossa mediação, de onde voltará para julgar os vivos e os mortos. Sl. 2.1-8; Is. 7.14; Mt. 1.18-21; Jo 1.1-3; 8.56-58;10.30; Rom. 4.24,25; II Tes. 2.5,6; Hb. 4.14-16; I Pe.4.5; I Jo. 4.8,9.

Artigo 4°
DA DOUTRINA DO ESPÍRITO SANTO
Cremos em Deus Espírito Santo, da mesma essência do Pai e do Filho, regenerador, santificador, consolador das nossas vidas, o qual habita no crente desde o momento da sua conversão a Jesus Cristo. Sl. 4.6; Jo 14.16, 17; 16.7-14; 2 Co. 3.16-18; Ef. 2.17,18; II Tes. 2.13; Tito. 3.4,5; I Pe. 1.3-12
Cremos no batismo com o Espírito Santo efetuado no momento da conversão a Jesus Cristo pelo Qual o crente é introduzido no Corpo de Cristo, a Igreja. Jo. 1.33,34;14.16,17; I Co 12.12,13; Gl. 3.27; Ef. 1.13
Cremos nos dons espirituais concedidos por Cristo, por intermédio do Espírito Santo, a todo crente, para edificação, aperfeiçoamento e unidade do Corpo de Cristo. Rom. 12.6-8; I Co. 12.4-11; Ef. 4.7-12; I Pe. 4.10,11.

Artigo 5°
DA DOUTRINA DAS ESCRITURAS SAGRADAS
Cremos na plena inspiração divina e na inerrância dos manuscritos originais das Escrituras Sagradas – Antigo e Novo Testamentos, formados por sessenta e seis livros que foram escritos por homens santos e da parte de Deus. Aceitamo-las como única regra de fé suficiente e infalível da revelação de Deus em Seu propósito redentor e como norma para a nossa conduta aqui no mundo. A regra infalível de interpretação das Escrituras é a própria Escritura. Deut. 4.2; Sl. 119.112; Is. 8.19,20; Dn. 9.2; At. 7.38; 2 Tm. 3.16; Hb. 1.1; 2 Pd. 1.19-21; Ap. 22.18,19.

Artigo 6°
DA DOUTRINA DO PECADO
Cremos que houve rebelião no céu, chefiada por Lúcifer e seguida por seus anjos, cujo alvo, desde então, é destruir as obras de Deus, tornando-se, assim, o agente pessoal da maldade com hostes demoníacas e o principal responsável pela entrada do pecado no mundo e a infelicidade humana. G. 3.1-7; Is. 14.12-15; Ez. 28.13-17; Mt. 4.8,9; Jo 12.31; Ef. 5.12; I Jo. 5.19.
Reconhecemos que Lúcifer, também conhecido por satanás ou diabo, é uma pessoa, autor do pecado e causador da queda do Homem. Mt. 4.1-11, 25-41; I Pe. 5.8; Ap. 20.10.
Reconhecemos a operação demoníaca de Satanás e seus anjos (demônios) ou espíritos maus, no sentido de impedir a conversão dos Homens a Jesus Cristo e oprimir os crente. Jo. 1.1-12; Mc. 9.37-43; Ef. 6.11,12; I Pe. 5.8,9.

Artigo 7°
DA DOUTRINA DO HOMEM
Cremos que o Homem foi criado por Deus, exatamente conforme a descrição de Gênesis, livre e responsável, com santidade positiva, em estado ideal de perfeição, porém, não guardou o seu estado original, sendo tentado por satanás, não resistiu, caiu em pecado e foi expulso da presença de Deus, passando a viver em miséria moral e espiritual, comprometendo todo o gênero humano. Gn.2.7-17; 9.24; Sl. 51.5; Rom. 3.24; 5.12-21.

Artigo 8°
DA DOUTRINA DA ALMA
Cremos na imortalidade da alma, em sua existência perpétua e consciente, em estado de salvação e gozo no céu ou em estado de perdição e miséria no inferno. Gen. 2.7; Ecl. 3.11; 12.7; Dn. 12.12.2; Mt. 25.31- 46; Luc. 16. 22-31; 19.21; Ap. 20.10-14; 21.7,8.

Artigo 9°
DA DOUTRINA DAS PENAS ETERNAS
Cremos na existência do inferno, lugar que Deus preparou para o diabo e seus anjos (demônios), mas que será, também o destino eterno das almas que recusam a Jesus como Salvador e Senhor. Mt. 25.41-46; Mc. 9.43-48; Luc. 16.22,23; Ap. 20.10-14; 21.8.

Artigo 10º
DA DOUTRINA DA SALVAÇÃO
Cremos na salvação eterna somente pela graça de Deus mediante a fé no sacrifício expiatório de Nosso Senhor Jesus Cristo, consumado na cruz, operada pela persuasão regeneradora do Espírito Santo, mediante o novo nascimento, selando-nos para o dia da redenção. Luc. 19.10; Jo. 16.7-11; At. 4.12; Rom. 4.24,25; 6.23; 2 Co. 5.17; 2 Tm. 2.19.

Artigo 11º
DA DOUTRINA DA IGREJA
Cremos na Igreja como a universal assembléia dos santos e que existe em todas as partes da Terra em congregações locais, como unidade do povo de Deus, eleita e separada do mundo, instituída por Nosso Senhor Jesus Cristo, para o aperfeiçoamento e serviço dos santos. Mt. 16.16-19; Jo. 17.22-26; 2 Co 11.2; Ef. 4.10-16; 5. 22-27; 2 Tm. 3.15; Hb. 12.22-24; I Pe. 2.9,10.

Artigo 12º
DA DOUTRINA DO BATISMO
Cremos no batismo nas águas, após a profissão de fé, realizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, em testemunho público de fé e como símbolo externo da obra regeneradora operada interiormente pelo batismo no Espírito Santo, para união ao Corpo de Cristo. Mt. 28.18- 20; At. 10.44-48; Rom. 6.1-14; 8. 12-17; I Co. 12.12-14.

Artigo 13º
DA DOUTRINA DA SANTA CEIA
Cremos que o Senhor Jesus Cristo instituiu a Santa Ceia, com os elementos pão e vinho, representantes de Seu corpo e sangue, para manter a comunhão dos santos e anunciar a morte, ressurreição e a segunda vinda de Cristo. Mt. 26.26-31; Mc. 14. 22-26; Jo. 6.42-59; I Co. 11.23-29.

Artigo 14º
DA DOUTRINA DA SEGUNDA VINDA DE CRISTO
Cremos na segunda vinda de Cristo, pessoal, física e visível, para ressurreição dos mortos, arrebatamento da Igreja, julgamento das nações, estabelecimento do Seu Reino e consumação de todas as coisas. Dn. 12.2; Mt. 24.29-31; 25.31,32; 26.63,64; Mc. 13.3-37; Luc. 21.25-28; Jo. 14. 1-3; At. 1.9-11; I Tes. 4.13-18; II Tes. 2.7,8; Ap. 3.11; 20. 1-13.

Artigo 15º
DA DOUTRINA DA CONSUMAÇÃO
Cremos no juízo final de Deus, no estabelecimento de um novo céu e uma nova terra para habitação eterna dos salvos e na implantação do governo universal de Deus. Is. 65.17-25; I Co. 15. 24-28; Ap. 20. 11-15; 21. 1-5.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »