Você já pensou no Nome de Deus?

Você já pensou no Nome de Deus? Nos vários nomes que Ele tem? Pode ser que sim, pode ser que não, encontramos pelo menos 9 Nomes próprios de Deus, que apontam para a Sua Magnitude, Majestade, soberania, e 10 nomes compostos que apontam para a sua ação a favor de Sua mais querida criação, o homem.

Mas será que este homem tem conhecimento disto? Será que isto é importante para ele? Poucos se importam com isto, suas ocupações com os negócios desta vida ou com o que vulgarmente podemos chamar de “procurar pelo em ovo”, com o criar celeumas, ou mesmo se envolver em discussões tolas que não levam a nada, o impedem de meditar na grandiosidade do Deus que ele serve.

Sempre houveram tempos difíceis, mas penso que os últimos dias, os quais apontam mesmo para o final de todas as coisas, tem se mostrado piores, temos visto uma superficialidade de vida cristã travestida de profundidade, com aparência de santidade, revestida de uma capa que pelo menos por um tempo parece conseguir esconder as verdadeiras intenções das mentes e corações. As Escrituras são simples, o que elas revelam está claro, o que não revela está claro também, é apenas citado, o mais interessante é que as pessoas tem procurando se ocupar com o não revelado, e deixam de lado o que o apostolo Paulo chamou de “princípios elementares dos ensinos de Cristo”.

Nos tempos em que Deus esteve entre os homens na pessoa de Seu Filho Jesus Cristo, existiam dois grupos de religiosos denominados escribas e fariseus, estes viviam caçando encrencas, sempre procurando fraquezas na muralha dos outros enquanto as suas estavam com tremendas rupturas. Ao longo dos tempos estes catedráticos fizeram discípulos, e estes, chegaram até nós travestidos de uma roupagem moderna. O conhecimento é importante, necessário, mas nada está acima do Senhor e de Sua Palavra, nada pode suplantar os ensinos trazidos pelo Espirito Santo nas Escrituras, quando muito, estes eruditos podem concordar com elas, jamais criar novas ideias sobre o que já está revelado!

Creio que o seu papel é ajudar a elucidar aquilo que aqueles que tem um pouco menos de conhecimento encontram dificuldades para compreender, não criar dúvidas ou colocar em dúvida o que já está revelado. A história está cheia de pessoas que Deus usou por meio do conhecimento para ajudar muitos a chegar aos pés de Cristo, mas também traz um bom número dos que com o “seu conhecimento” ajudar a afastar os que já estavam no caminho! Josué chegou num ponto em que chamou o povo a razão, colocou diante deles a realidade no cap. 24:15 de seu livro, deixou com eles a decisão de servir ao Senhor ou aos ídolos que estavam acostumados a reverenciar.

Creio que estamos chegando neste ponto, hoje acredito que temos de escolher a quem vamos reverenciar, se aos eruditos e seus escritos que temos em alta estima, ou ao Senhor que deu a todo erudito a capacidade de produzir algo, embora posso afirmar sem medo de errar que uma boa parcela destes eruditos já ultrapassaram o limite da glória nos corações de seus admiradores, pois estes sabem mais sobre eles do que sobre o Deus que os permitiu serem o que são. Voltemos as Escrituras! “Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como a chuva serôdia que rega a terra. Pois misericórdia quero, e não sacrifícios; e o conhecimento de Deus, mais do que os holocaustos.” Os. 6:3,6.

Meditação em áudio:

 

Pr. José Claudio Fonseca
E-mail: igreja@icecantodomar.com.br

Deixe uma resposta

Quer outro idioma?