O que ouvimos nos afeta

É interessante como o que ouvimos nos afeta, e o inimigo ou os inimigos sabem disto, temos nestes últimos dias tratado aqui sobre o que se ouve e o efeito que isto causa em nossas vidas. Uma frase que sempre ouvimos nos chega com prazer aos ouvidos, mas quando a frase em questão é dirigida a nós, bem ai é diferente o sentimento que temos. Quer um exemplo: veja esta frase “Ah! Ele(a) esta colhendo o que plantou”?

Não tem frase mais prazerosa quando dirigida aos outros, ou não tem frase mais chata e que provoca repulsas quando dirigida a nós não é mesmo? É verdade que não gostamos de ouvir, mesmo sabendo que é a mais pura verdade, no que diz respeito a nós ,preferimos maquiar os acontecimentos para que eles não pareçam uma colheita e sim fatalidades do acaso.

Bem, é assim que agimos, e só quando chegamos a um relacionamento mais transparente com Deus é que entendemos que é desta forma mesmo que as coisas acontecem. Ou seja para que se possa conceber esta verdade é necessário estar em plena comunhão com Deus no sentido mais profundo da palavra “comunhão”. É necessário entender quem somos de verdade, e todas as misérias que habitam o nosso interior.

Ontem o presbítero Átila nos trouxe uma Palavra muito implicante, o efeito das tentações na vida do homem, e como escapar delas. A tentação, segundo o irmão nos ensinou tem uma conotação de nos afastar da presença de Deus quando acedemos a ela, quando caímos nela, quando não conseguimos nos desvencilhar dela. Ao passo que se quando nos sentimos tentados nos debruçamos aos pés do Senhor buscando socorro, Ele, o Senhor, nos dá graça e nos livra da tentação. Então precisamos entender que quando caímos em tentação, quando cedemos aos seus apelos, tem custo, tem fruto, de colheita.

Não nos adianta maquiar nossas falhas e tentar amenizar os efeitos escudando-nos na fraqueza da carne como é nosso costume. Sim, a carne é fraca, mas e o espirito? O espírito que tem o Espirito Santo controlando ele, qual o papel do Espirito Santo em nosso coração senão nos convencer do pecado, da justiça e do juízo, e quando convencidos destas coisas, resistimos ao diabo, o mentor da tentação e ele sai de nossa presença, de nosso caminho. Quando estamos sempre colhendo frutos amargos do que plantamos não será porque alguma coisa está errada com o Espirito Santo dentro de nós! Pode ser que estejamos entristecendo Ele com nossas razões e justificativas humanas, pode ser que estejamos sufocando Ele com nossa resistência a Sua voz, ou ainda pode ser que por nossa teimosia estejamos extinguindo Ele de nossas vidas.

Tudo isto tem fruto a ser colhido! Nas Escrituras temos vários exemplos de pessoas que colheram o que plantaram, tanto colheitas boas como colheitas ruins. As boas nos servem para mostrar que vale a pena ser fiel, e que Deus jamais esquece alguém que é reverente ao Seu Nome! As ruins nos ensinam que fizemos uma escolha errada e que esta escolha tem um resultado, e que no resultado devemos aprender e não mais escolher de forma errada. Um grande erro que cometemos é achar que Deus em sua infinita misericórdia vai impedir que colhamos algo ruim pelo que semeamos, alguns até ensinam assim em suas pregações e estudos. Engano, e dos grandes, vemos que Adão, Sansão, Davi, e outros sempre contaram com a presença de Deus em suas vidas, até o momento em que estiveram de acordo com Ele, e com Suas ordenanças, quando deixaram de fazer isto, Deus não pôde se manter ao lado deles pois não pode ir contra a Sua Palavra.

O que dizer de Moisés, que em tudo agradou o Senhor, sempre encontramos no livro do Êxodo a frase: “e fez Moisés tudo de acordo como o Senhor lhe ordenou”, mas uma coisa ele não fez, e por esta coisa Deus permitiu apenas que ele visse a terra mas não permitiu que ele entrasse nela. Injustiça da parte de Deus? Não, soberania, Ele é Deus e faz como quer! Então, procuremos entender que quando estamos semeando coisas que contrariam Deus e Sua Palavra, Ele não pode nos socorrer nos resultados errados que colhemos, Ele apenas nos oferece a Sua graça para que possamos passar pela colheita, mas nos deixa colher cada fruto para que possamos aprender a ser mais prudentes naquilo que semeamos em nosso caminho. “Então veio o Espírito de Deus sobre Azarias, filho de Odede, que saiu ao encontro de Asa e lhe disse: Ouvi-me, Asa, e todo o Judá e Benjamim: O Senhor está convosco, enquanto vós estais com ele; se o buscardes, o achareis; mas se o deixardes, ele vos deixará.” 2ª Cron. 15:1,2.

 

Essa meditação está disponível em áudio:

 

Pr. José Claudio Fonseca
E-mail: igreja@icecantodomar.com.br

Deixe uma resposta

Quer outro idioma?