Um princípio de vida para a vida

Jesus ao começar o seu ministério, começou também a ensinar seus primeiros discípulos como encontrar o caminho de Vida eterna. Suas aulas chocavam a sociedade vigente na época, seus princípios eram demasiado estranhos e contrários ao que residia no coração do homem. Partindo do princípio que do coração do homem é que sai todo tipo de coisa ruim, é por ali que tinha de começar o tratamento.

Um dos princípios ensinados, e talvez o mais complicado, o mais difícil, é o princípio do perdão. Segundo afirma o Senhor Jesus por meio das Escrituras, este é o princípio básico para que se possa alcançar o coração de Deus, e para que Deus possa alcançar o nosso coração. Mateus registra o seguinte acerca deste ensino: “Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; se, porém, não perdoardes aos homens, tampouco vosso Pai perdoará vossas ofensas.” Mt. 6: 14,15.

Da para ver o quão sério é o princípio do perdão, se não conseguirmos perdoar as pessoas que nos ofendem, é fato que Deus não poderá perdoar as ofensas que cometemos. E se não recebemos o perdão de Deus, então, nosso destino final já esta traçado. A sociedade da época ficou chocada com este ensino, e nós, não somos diferentes, como podemos perdoar uma pessoa que só nos traz aborrecimentos? Como tratar tais pessoas como se elas nada tivessem feito para nós? Esta questão permeou a mente de muitos que ouviram estas palavras dos lábios do Senhor Jesus, e permeia nossa mente quando ouvimos a mesma palavra vinda de uma mensagem, de um texto como esse, ou da leitura das Escrituras. Pode ser que agora ao ler isto, você esteja se fazendo as mesmas perguntas! Como temos praticado este princípio em nossa vida? Nós, os que nos chamamos pelo Nome do Senhor, nós, os que dizemos estar cheios do poder de Deus, nós, os que dizemos ser conhecedores da Palavra de Deus?

Ontem ouvimos sobre o que Paulo escreve à Igreja dos Coríntios na sua primeira carta cap. 9:24-27, e no verso 27 Paulo diz que tinha medo de que após levar alguns à Cristo, ele mesmo pudesse ser “ Adókimós” que quer dizer- desqualificado, inútil. Isto quer dizer que o exemplo sempre tem de partir de nós, como alguém pode dizer que esta em Cristo, com um coração repleto de mágoa, de raiva, de falta de perdão? Quem conta os perdões que ofereceu, na verdade não perdoou ninguém, porque perdoar é destruir a ofensa, e não se pode contar o que não existe!  Pense comigo, enquanto lê estas simples palavras, vindas de alguém que não é famoso, não tem eminência na mídia, um simples pastor de bairro, desconhecido, para alguns, um ninguém, será que podemos contar quantas vezes Deus já perdoou os erros que cometemos?
Se não podemos contar quantas vezes Deus já nos perdoou, como conseguimos contar quantas vezes já perdoamos alguém? Alguma coisa esta errada! Pois segundo as Escrituras quando pedimos perdão ao Senhor por algo que fizemos Ele lança nossas falhas no mar do esquecimento “Quem é Deus semelhante a ti, que perdoas a iniquidade, e que te esqueces da transgressão do resto da tua herança? O Senhor não retém a sua ira para sempre, porque ele se deleita na benignidade.

Tornará a apiedar-se de nós; pisará aos pés as nossas iniquidades. Tu lançarás todos os nossos pecados nas profundezas do mar” Mq. 7:18,19. Queridos irmãos e amigos, nesta semana quero lhes chamar a atenção para este princípio que é básico para que possamos ter paz. Reflita, se achar algum foco de amargura, ódio, raiva em seu coração, busque em Deus graça e libere o perdão, seja a quem for, seja a qual situação for. E sentirás um alívio em sua alma, sentirás a Paz que vem de Deus inundar o seu coração, e a dor que te atormentava será substituída por um sentimento de refrigério. Pois o perdão é um princípio de vida, para que possamos encontrar a Vida.
Pr. José Claudio Fonseca
igreja@icecantodomar.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »