Você já pensou no Nome de Deus?

Você já pensou no Nome de Deus? Nos vários nomes que Ele tem? Pode ser que sim, pode ser que Ler mais »

O que ouvimos nos afeta

É interessante como o que ouvimos nos afeta, e o inimigo ou os inimigos sabem disto, temos nestes últimos dias Ler mais »

Tempos difíceis em nosso País

Você assim como eu, sabe que temos vivido tempos muitos difíceis em nosso País, a Nação brasileira está caminhando por Ler mais »

Deus: o primeiro nome a ser dito

Deus: o primeiro nome a ser dito diante de uma situação difícil, até mesmo o ateu que diz não acreditar Ler mais »

Homenagem

No último dia 16 (sexta), o pastor José Cláudio Fonseca recebeu título de Cidadão Sebastianense, uma homenagem pelos serviços prestados Ler mais »

A palavra Bíblia

A palavra Bíblia vem do termo grego “Biblos” que tem o significado de “rolo” ou “livro” não necessariamente está relacionada Ler mais »

Água e óleo não se misturam

Água e óleo não se misturam, são compostos opostos, tem moléculas que não se combinam, portanto sempre quando misturadas, podem Ler mais »

Jamais amaldiçoe alguém

Jamais amaldiçoe alguém, por mais ruim que esta pessoa seja, por mais que ela tenha lhe chateado ou mesmo causado Ler mais »

A vida é curta?

É comum ouvirmos das pessoas a frase “a vida é curta”, mas creio eu que de todos os que dizem Ler mais »

 

Você já perdeu a razão em uma discussão?

Você já perdeu a razão em uma discussão? Já perdeu as estribeiras em uma conversa mais acalorada com alguém, ou mesmo com um membro de sua própria família? Acredito que a resposta seja sim, todos nós uma ou outra vez já fizemos isto, e não estamos isentos de fazer de novo. Isto prova que somos humanos, de carne e osso, isto prova a nossa fraqueza que as vezes mostra-se mais forte do que nossa consistência espiritual.

Também prova o quanto somos dependentes de Deus e Sua misericórdia. Porém quando perdemos a razão não é bom, e não há justificativas plausíveis quando fazemos isto, pois isto também demonstra o que vai em nosso coração, a pecaminosidade que domina ele! O coração aqui não é o órgão propriamente dito, mas representa a sede de nossos sentimentos tanto bons quanto ruins. Em Fil.4:7 , Paulo diz que .. “E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus”, quando perdemos a razão em uma discussão devemos pensar : o que aconteceu com esta paz de Deus em nosso coração?

Esta paz que Paulo cita aos Filipenses , na verdade é tranquilidade em meio ao calor da guerra! Ou seja , mesmo em meio ao calor de um pleito, devemos manter a calma e tranquilidade. Há algo que precisamos entender e aceitar, quando uma pessoa tenta nos tirar do sério, ela é instrumento do maligno para nos fazer envergonhar o Nome do Senhor, por outro lado infelizmente há situações em que nós estamos fora de direção, em que nós somos quem tira as pessoas do sério, em que somos nós que perdemos a linha na hora de tratar uma ou outra situação com alguém! Nestas horas é certo que queremos demonstrar alguma segurança, posição ou mesmo demostrar autoridade, mostrar que somos os tais.

Este desequilíbrio de comportamento em nossa vida tem uma razão: estamos lendo a Bíblia, não meditando nela, a falta de meditação na Palavra de Deus e a falta de uma conversa íntima com Ele (oração) é a causa deste comportamento apresentar-se com mais ou menos frequência em nossa vida! Quando estamos em sintonia com Deus, nosso “eu” fica patente, a Palavra de Deus trata as áreas mais recônditas de nosso ser, o Espírito Santo controla nossas emoções por meio de uma característica de Seu fruto : o domínio próprio, e tudo fica bem. Você já deve ter visto imagens de um vulcão entrando em erupção, pois é, isto se dá pelo acúmulo de pressão no seu interior, fruto do aquecimento elevado dos materiais incandescentes ali presentes, que quando em alta temperatura gera uma pressão tal que excede a normalidade, então ele explode.

Quando isto acontece todos nós sabemos o estrago que esta erupção causa quando a lava quente é expelida destruindo tudo em seu caminho, assim somos nós quando explodimos, as coisas vão esquentando dentro de nós, ou já estão pré-aquecidas ou até a ponto de explodir, em vez de expormos tudo isto diante de Deus, as vezes expomos diante dos homens, são situações não tratadas, raiva acumulada e quando atinge um nível insuportável, explodimos, falamos o que não devemos a quem não deveríamos, causando estragos que serão muito difíceis de serem consertados.

Por isto a prática da oração e da meditação na Palavra de Deus é importante para amenizar este sentimento em nosso coração, evitando que cheguemos ao extremo de perdemos a razão em uma discussão, em uma conversa mais acalorada, a posição que Deus nos deu, faz de nós alguém a ser observado, uma vitrine, alguém que tem muita responsabilidade diante de um mundo caído e sem esperança, o que estamos fazendo quando perdemos o equilíbrio?. Nós nos esquecemos disto, o diabo não! Lembre-se que: palavra falada, flecha disparada e oportunidade perdida não voltam mais!

Portanto tenhamos muito cuidado para que o sol não se ponha sobre a nossa ira e venhamos a dar lugar ao ladrão que só tem três objetivos em nossa vida. Matar, roubar e destruir. Antes de tratar qualquer situação aprendamos a orar, pedir que Deus vá a nossa frente, que Ele controle nossas emoções por meio de Seu Espírito, que Ele ponha guarda em nossa boca para não blasfemarmos contra o bom Nome Dele como pediu Davi no Salmo 141:3. “Sabei que o Senhor separou para si aquele que é piedoso; o Senhor me ouve quando eu clamo a ele. Irai-vos e não pequeis; consultai com o vosso coração em vosso leito, e calai-vos. Oferecei sacrifícios de justiça, e confiai no Senhor. Muitos dizem: Quem nos mostrará o bem? Levanta, Senhor, sobre nós a luz do teu rosto.” Sl. 4:3-6.

Pr. José Claudio Fonseca.

Meditação em áudio:

Você já pensou no Nome de Deus?

Você já pensou no Nome de Deus? Nos vários nomes que Ele tem? Pode ser que sim, pode ser que não, encontramos pelo menos 9 Nomes próprios de Deus, que apontam para a Sua Magnitude, Majestade, soberania, e 10 nomes compostos que apontam para a sua ação a favor de Sua mais querida criação, o homem.

Mas será que este homem tem conhecimento disto? Será que isto é importante para ele? Poucos se importam com isto, suas ocupações com os negócios desta vida ou com o que vulgarmente podemos chamar de “procurar pelo em ovo”, com o criar celeumas, ou mesmo se envolver em discussões tolas que não levam a nada, o impedem de meditar na grandiosidade do Deus que ele serve.

Sempre houveram tempos difíceis, mas penso que os últimos dias, os quais apontam mesmo para o final de todas as coisas, tem se mostrado piores, temos visto uma superficialidade de vida cristã travestida de profundidade, com aparência de santidade, revestida de uma capa que pelo menos por um tempo parece conseguir esconder as verdadeiras intenções das mentes e corações. As Escrituras são simples, o que elas revelam está claro, o que não revela está claro também, é apenas citado, o mais interessante é que as pessoas tem procurando se ocupar com o não revelado, e deixam de lado o que o apostolo Paulo chamou de “princípios elementares dos ensinos de Cristo”.

Nos tempos em que Deus esteve entre os homens na pessoa de Seu Filho Jesus Cristo, existiam dois grupos de religiosos denominados escribas e fariseus, estes viviam caçando encrencas, sempre procurando fraquezas na muralha dos outros enquanto as suas estavam com tremendas rupturas. Ao longo dos tempos estes catedráticos fizeram discípulos, e estes, chegaram até nós travestidos de uma roupagem moderna. O conhecimento é importante, necessário, mas nada está acima do Senhor e de Sua Palavra, nada pode suplantar os ensinos trazidos pelo Espirito Santo nas Escrituras, quando muito, estes eruditos podem concordar com elas, jamais criar novas ideias sobre o que já está revelado!

Creio que o seu papel é ajudar a elucidar aquilo que aqueles que tem um pouco menos de conhecimento encontram dificuldades para compreender, não criar dúvidas ou colocar em dúvida o que já está revelado. A história está cheia de pessoas que Deus usou por meio do conhecimento para ajudar muitos a chegar aos pés de Cristo, mas também traz um bom número dos que com o “seu conhecimento” ajudar a afastar os que já estavam no caminho! Josué chegou num ponto em que chamou o povo a razão, colocou diante deles a realidade no cap. 24:15 de seu livro, deixou com eles a decisão de servir ao Senhor ou aos ídolos que estavam acostumados a reverenciar.

Creio que estamos chegando neste ponto, hoje acredito que temos de escolher a quem vamos reverenciar, se aos eruditos e seus escritos que temos em alta estima, ou ao Senhor que deu a todo erudito a capacidade de produzir algo, embora posso afirmar sem medo de errar que uma boa parcela destes eruditos já ultrapassaram o limite da glória nos corações de seus admiradores, pois estes sabem mais sobre eles do que sobre o Deus que os permitiu serem o que são. Voltemos as Escrituras! “Conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como a chuva serôdia que rega a terra. Pois misericórdia quero, e não sacrifícios; e o conhecimento de Deus, mais do que os holocaustos.” Os. 6:3,6.

Meditação em áudio:

 

Pr. José Claudio Fonseca
E-mail: igreja@icecantodomar.com.br

As palavras tem poder?

As palavras tem poder, você já deve ter ouvido isto, ou mesmo pode ser que eu e você já tenhamos dito isto a alguém não é mesmo? Alguns já produziram um vasto material para embasar esta afirmação, em sua maioria material com base no misticismo e não na verdade. As palavras tem sentido, isto é verdade, pois segundo as Escrituras devemos tomar cuidado com elas, pois elas podem nos condenar ou nos absolver diante de Deus. Jesus disse que iremos dar conta de tudo o que sai de nossa boca como palavra!

Acreditamos nas coisas que dizemos! Pode ser que sim, mas em alguns casos a pratica cotidiana diz que não! Uma coisa é certa, as palavras trazem consigo um sentido próprio, e devem ser analisadas com cuidado antes de serem ditas, antes de fazermos uso delas devemos procurar saber o que elas significam. Por exemplo será que nós já procuramos saber a profundidade da palavra “confiança”, usamos sempre dela para animar as pessoas, em muitos casos para sermos simpáticos com elas quando as vemos atravessando o deserto da dúvida.

O mais interessante é que estamos oferecendo algo que nós mesmos não acreditamos, queremos que as pessoas tenham confiança quando nós não temos! Pode-se dar a alguém algo que não se tem? Dizemos a elas que tudo vai sair bem, quando em nosso íntimo estamos certos de que tudo vai dar errado! Então devemos dizer que tudo vai dar errado? Não, devemos buscar em Deus a firmeza para crermos naquilo que estamos oferecendo, pois as pessoas percebem se estamos cônscios do que estamos dizendo ou se estamos apenas querendo ser simpáticos com elas.

E o efeito positivo na vida delas depende de elas sentirem que realmente estamos certos do que estamos lhes oferecendo! Eu creio que se tivéssemos o cuidado de analisar a etimologia de algumas palavras, algumas nós iríamos dar muita ênfase, valor, e outras certamente retiraríamos de nosso dicionário pessoal. É certo que temos o costume de aderir a qualquer jargão inventado, basta o povo dizer e logo estamos inserindo em nosso vocabulário pessoal. Neste caso damos pouca ênfase a palavras importantes, e exacerbamos a pratica de palavras de dúbio sentido.

Confiança é uma palavra forte, vem do Latim CONFIDENTIA, que vem de CONFIDERE, “acreditar plenamente, com firmeza”, formada por COM, intensificativo, mais FIDERE, “acreditar, crer”, que deriva de FIDES, “fé”. Confiar é exercer fé no sentido mais puro e firme da palavra. Por isto somos aconselhados pelas Escrituras a confiar plenamente em Deus, pois Ele não falha, não erra, Nele sempre estará a resposta de nossas orações. Pode ser que por não termos total conhecimento da palavra confiança, ao demorar muito para obtermos uma resposta logo já voltamos ao campo da dúvida, do desanimo. Não deve ser assim, pois tudo o que gira em torno das Escrituras, a ordem é perseverar até o fim, e o fim em questão, é até receber as resposta, seja sim ou não!

Veja o testemunho de Calebe em Js. 14:7-14, quando lhe foi feita a promessa ele tinha 40 anos de idade, se passaram 45 anos até que ele recebesse a herança prometida, e ele não desanimou, Deus lhe entregou nas mãos o que havia prometido! Quem espera no Senhor quem confia Nele não desanima, não murmura, não reclama, apenas confia e ponto final. Nossa geração foi e é atingida pelo inimigo exatamente nesta área que para Deus é primordial, a área da confiança, pois para que se possa sorver tudo de bom que Deus pode dar é necessário ter confiança. E na verdade o diabo tem semeado desconfiança em nosso meio, pois oramos, e já queremos a resposta. A confiança é um dos elementos que movem os braços de Deus, juntamente com a esperança ela forma o combustível da resposta de oração.

Quantas semanas de oração já participamos e não recebemos a resposta que tanto queríamos? Estamos caminhando para o final de mais uma, quem sabe nesta alcançamos o que desejamos da parte de Deus! Tenhamos confiança! Vamos confiar em Deus até que Ele nos responda, e, Ele vai responder, a seu tempo. Não desista, coloque seus pedidos, suas dúvidas aos pés do Senhor e aguarde sempre com confiança na pessoa Dele, pois Ele jamais deixa alguém sem resposta! “Mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças; subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; andarão, e não se fatigarão.” Is. 40:31.

Meditação disponível em áudio:

 

Pr. José Claudio Fonseca

Quer outro idioma?